O pesquisador Ubirajara de Oliveira fala sobre o seu mais recente estudo a respeito das lacunas de conservação da biodiversidade em áreas protegidas brasileiras publicado na revista Scientific Reports.
Scientific Reports, Agosto 2017

Em comemoração ao aniversário de nove décadas da Universidade Federal de Minas Gerais, o Cedecom – TV UFMG produz a série “90 anos de histórias”. Os episódios apresentam depoimentos de pessoas marcadas pelas experiências vivenciadas na Universidade, entre elas, o professor titular Britaldo Soares Filho – IGC/UFMG.
UFMG, Agosto 2017

Palestra ministrada por Frank Merry e Britaldo Soares-Filho para o Climate and Land Use Alliance – CLUA.
Julho, 2017

Nos dias 16 a 22 de julho será realizada a 69ª Reunião Anual da SBPC na Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte. Dentre os mini cursos disponibilizados, será ofertado o curso de Modelagem de Dinâmica Ambiental com Dinâmica EGO, ministrado pelo Professor Britaldo Soares Filho.
SBPC, Julho 2017

Is intensification of beef production really a solution to Amazonian deforestation? In a recent commentary, researchers argue that a proposed “solution” may actually have it exactly backwards: intensification of beef production does not lead to desired conservation outcomes, but certain conservation measures can spur cattle ranchers to sustainably intensify production.
Mongabay, Junho 2017

ESTUDO QUESTIONA PESO DO ‘BOI VERDE’ CONTRA DESMATE
Anos atrás firmou-se no Brasil o diagnóstico de que, para estancar o desmatamento na Amazônia, era urgente melhorar a produtividade da pecuária de corte. Com mais bois no mesmo pasto, diminuiria a pressão pela derrubada de florestas. Um estudo vem agora pôr em dúvida essa relação de causa e efeito.
Folha de São Paulo, Junho 2017

Participação do professor Britaldo Soares-Filho no seminário do International Climate Protection Fellowship Programme, nas instalações da Fundação Alexander von Humboldt, Alemanha.
Humboldt foundation, Março 2017

Pesquisadores ligados ao MCTIC fizeram a primeira projeção integrada das emissões brasileiras de gases causadores do aquecimento global para as próximas décadas, juntando num só modelo o papel dos diferentes setores da economia, da pecuária à indústria.
Folha de São Paulo, Março 2017

A equipe do Centro de Sensoriamento Remoto – CSR com apoio do Instituto de Pesquisa Ambiental da Amazônia – IPAM, realizou um trabalho de campo em Querência no Mato Grosso para a realização de uma pesquisa sobre os impactos do fogo na economia regional.
Outubro, 2016

A doutoranda Aline Silva de Oliveira foi a Universidade Federal de Viçosa realizar um curso de Dinamica Ego para os alunos de pós graduação do departamento de solos.

Agosto, 2016

Seminário ministrado pelo professor Britaldo Silveira Soares Filho em Montpellier.

Agosto, 2016

Seminário realizado nos dias 21, 22 e 23 de setembro na escola de engenharia da UFMG: Desafios da implementação das políticas climáticas e florestais no Brasil: em busca de uma visão transdisciplinar.
Participação do professor Britaldo Soares Filho.
UFMG, Setembro 2016

Britaldo Silveira Soares Filho, guest professor at ZEF, talks about “Meeting the challenges for countrywide conservation”.

University of Bonn, 30 Março 2016

Palestra realizada em São Paulo, pelo estudante de doutorado Evandro Batista e promovida pelo AgroÍcone.

Junho, 2016

A equipe do CSR foi a Santarém no Pará, realizar trabalho de campo sobre o extrativismo da Borracha e da Castanha do Brasil.

Junho, 2016

Environmental modelling in support of sound policy development. Public Lecture by Britaldo Silveira Soares Filho, Georg Forster Research Award 2016.

University of Bonn, 30 Março 2016

Medidas de controle previstas no Código Florestal não serão suficientes para manter o avanço da fronteira agrícola sob controle a partir de 2016, dizem os pesquisadores

Estadão, 23 Janeiro 2015

The Brazilian government this week approved a mechanism that lets property owners who deforested more than their legal limit before 2008 offset their “forest debt” by purchasing credits from landowners who have not. Proponents say it could save 10 million hectares of forest, while critics say the larger policy still lets too many environmental scofflaws off the hook.
Ecosystem Marketplace, 7 de Maio de 2014

O polêmico Código Florestal Brasileiro foi aprovado em 2012, mas ainda enfrenta entraves em sua regulamentação. À época de sua definição, ONGs ambientalistas alertaram para os riscos do aumento do desmatamento já que o Código foi aprovado com alterações que mudavam o tamanho de áreas que deveriam ser preservadas e fracas ações contra desmatadores ilegais
UOL Notícias, 24 de Abril de 2014

Uma análise feita por sete pesquisadores brasileiros e um americano publicada na edição desta quinta-feira (25) da revista “Science” afirma que o novo Código Florestal, aprovado em maio de 2012, diminui a área de floresta desmatada ilegalmente que deveria ser restaurada no país em 58%: de 50 milhões de hectares (500 mil km²) para 21 milhões de hectares (210 mil km²). Além disso, diz o texto, a lei permite o desmatamento legal de mais 88 milhões de hectares. Por outro lado, o artigo aponta para avanços ambientais alcançados pela lei, como a possibilidade de comercializar títulos referentes a propriedades que conservam a mata nativa
Primeira Hora, 24 de Abril de 2014

Um artigo da revista Science desta semana (25/04) aborda sobre o novo Código Florestal Brasileiro. Cerca de 53% da vegetação nativa do Brasil ocorre em propriedades privadas. As florestas nativas e savanas nessas terras armazenam bilhões de toneladas de CO2 que desempenham um papel vital na manutenção de uma ampla gama de serviços do ecossistema.
Jornal do Brasil, 24 de Abril de 2014

São Paulo – O tamanho da área desmatada total dentro de propriedades rurais no Brasil que deverá ser obrigatoriamente recomposta foi reduzido em 58% pelo novo Código Florestal, em comparação com a lei anterior, segundo um artigo científico publicado na revista Science.
Estadão, 24 de Abril de 2014

O novo Código Florestal, aprovado em 2012, reduz em 58% a área desmatada no país que deveria ser restaurada, afirma análise de um grupo de pesquisadores brasileiros publicada na edição de hoje da revista Science.
Folha de São Paulo, 24 de Abril de 2014

Manaus, AM – O novo Código Florestal reduziu em 58% as áreas degradadas que deveriam ser restauradas, segundo um estudo publicado no início desta semana na revista Science. O artigo, denominado “Cracking Brazil’s Forest Code” (Desvendando o Código Florestal do Brasil), é o primeiro a quantificar as implicações da lei aprovada pelo Congresso e sancionada pela presidente Dilma Rousseff em 2012. O texto é assinado por sete pesquisadores brasileiros e um americano.
Eco, 30 de Abril de 2014

Approved in 2012, Brazil’s new Forest Code has few admirers. Agricultural interests argue that it threatens the livelihoods of farmers. Environmentalists counter that it imperils millions of hectares of forest, threatening to release the billions of tons of carbon they contain. A new study, co-authored by Woods Hole Research Center (WHRC) scientists Michael Coe, Marcia Macedo and Brazilian colleagues, published this week in Science, aims to clarify the new law. Entitled “Cracking Brazil’s Forest Code,” the article is the first to quantify the implications of recent changes to the Forest Code and identify new opportunities and challenges for conservation.
USA News, 24 de Abril, 2014

The revised Forest Code passed into law by Brazil in 2012 could authorize conversion of 400,000 square miles of native grassland for industrial agriculture, while granting amnesty for deforesters in the Amazon rainforest, argues a policy piece published this week in the journal Science.
Phys.org, 24 de Abril, 2014

Dr. Britaldo Silveira Soares-Filho’s talk will describe applications of one of the worlds most sophisticated economic and ecological modeling platforms (SimAmazonia and SimBrasil) to help answer several key policy questions now facing Brazil, from infrastructure development, forest code revision, agriculture expansion, to ranching intensification, as well as the potential impacts of policy choices on regional economies and ecosystem services. In sum, he will show how environmental modeling tools are helping Brazil’s government agencies design and coordinate national plans that seek to reconcile development with environmental conservation.
Science, 15 de Maio, 2013

Hydropower dams may be an unlikely new weapon for conservationists trying to save tropical trees. A new study reveals that vast forests are necessary to keep rivers flowing and turbines spinning.
Science, 15 de Maio de 2013

São Paulo – A conservação das florestas tem papel fundamental na geração de energia em usinas hidrelétricas. Essa é a conclusão de um estudo publicado no periódico científico Pnas, feito por pesquisadores brasileiros e estrangeiros. O estudo, que avalia o potencial de geração de eletricidade em florestas tropicais, foca na relação entre desmatamento e a capacidade de geração da usina de Belo Monte.
Exame, 14 de Maio de 2013

Cientistas brasileiros mostram que a perda de floresta pode afetar a quantidade de chuvas na região, levando a um fluxo menor de água nos rios e a um corte de até 40% na geração de energia prevista na hidrelétrica.
Veja, 14 de Maio de 2013

Scientists say the rainforest is critical in generating the streams and rivers that ultimately turn turbines.If trees continue to be felled, the energy produced by one of the world’s biggest dams could be cut by a third.The study is published in the Proceedings of the National Academy of Sciences.
BBC News. Science & Environmrnt.
UK, 14 de Maio, 2013

A construção de hidrelétricas na Amazônia, como a polêmica Belo Monte, tem sido atacada pelos seus impactos ecológicos e sociais, notadamente entre os povos da região, como tribos indígenas. Agora, um novo estudo publicado por pesquisadores brasileiros e americanos mostra que usinas na bacia do rio Xingu tendem a ser menos eficazes se a região em torno sofrer grandes índices de desmatamento.
Folha de São Paulo, 14 de Maio de 2013

Destruir a floresta amazónica pode comprometer o sucesso de barragens para a produção eléctrica na região, segundo investigadores de instituições brasileiras e norte-americanas.Num estudo publicado na revista Proceedings of the National Academy of Sciences, sete investigadores concluem que a desflorestação diminui a quantidade de chuva, reduzindo a disponibilidade de água nos rios, contrariamente ao que se supunha até agora.
Portugals Publico, 14 de Maio de 2013

In Brasilien soll an einem Amazonas-Zufluss eines der größten Wasserkraftwerke weltweit gebaut werden. Forscher haben nun jedoch festgestellt, dass die anhaltenden Rodungen der Wälder Niederschläge verringern und damit die Leistung des Kraftwerks extrem reduzieren könnten.
Deutschlandfunk.
Deutschland, 14 de Maio de 2013

Deforestation may significantly decrease the hydroelectric potential of tropical rainforest regions, warns a new study published in Proceedings of the National Academy of Science.
Mongabay.com, 13 de Maio de 2013

Deforestation in the Amazon region could significantly reduce the amount of electricity produced from hydropower, says a new study.Scientists say the rainforest is critical in generating the streams and rivers that ultimately turn turbines.If trees continue to be felled, the energy produced by one of the world’s biggest dams could be cut by a third.
The New York Times, 13 de Maio de 2013

Brazil is at risk of scoring an economic own goal if it continues clearing Amazon forest for herding and soya production, according to a new study that has potential implications for global food security.In recent decades, the conversion of vast tracts of the Amazon into pastures and farm fields has boosted the national economy and played a major role in meeting rising world demand for beef and grain, particularly soyabeans – for which Brazil overtook the US this year as the number one supplier.
The Guardian, UK, Maio de 2013

A substituição da Floresta Amazônica por pastos e plantação de soja no processo de expansão agrícola pode ser prejudicial não só para o ambiente como um tiro no pé da própria agricultura.
O Estado de São Paulo, 10 de Maio de 2013

A flexibilização no Código Florestal ainda exige que 30 milhões de hectares sejam restaurados, mas mecanismos de pagamento por áreas onde sobra floresta e restauração em áreas de pecuária inaptas para agricultura podem resolver 78% desse déficit.
O Estado de São Paulo, 27 de Agosto de 2012

Das emissões históricas do País, 72% vieram da Mata Atlântica e do Cerrado.
Folha de São Paulo, 5 de Maio de 2012

Indonesia ranks right behind the United States and China in the lineup of the world’s top 10 greenhouse gas emitters. It’s not because of smokestacks or freeways, but massive deforestation starting in the 1990s — driven In large part by the expansion of plantations for palm oil, an edible vegetable oil used in cookies, crackers, soap and European diesel fuel.
The New York Times, Maio de 2012

The establishment of protected areas in the Brazilian Amazon since 1999 has been effective in slowingdeforestation of the world’s largest rainforest and reducing carbon emissions, according to a new study.
Environment 360, 02 de junho de 2010

A new article in the December 4 issue of Science addresses how the combined efforts of government commitments and market transition could save forest and reduce carbon emissions in Brazil.The Policy Forum brief was authored by contributors from the Woods Hole Research Center, Instituto de Pesquisa Ambiental da Amazonia (IPAM), Universidade Federal de Minas Gerais, Aliança da Terra, Environmental Defense Fund, University of Florida, Universidad Rey Juan Carlos, and the Universidade Federal do Pará.
Science Daily, 7 de Dezembro de 2009

A year ago I was assigned from a World Bank operations team providing support to countries in Europe and Central Asia on energy, climate mitigation and adaptation to work in a Bank administered trust fund, the Energy Sector Management Assistance Program (ESMAP), as a thematic coordinator for energy and climate change in this program. One of my roles is to coordinate a program that is providing support to six emerging economies—Brazil, China, India, Indonesia, Mexico and South Africa—that are proactively seeking to identify opportunities and related financial, technical and policy requirements to move towards a low carbon growth path.
The World Bank, 22 de Setembro de 2009

Protected areas in the Brazilian Amazon are proving highly effective in reducing forest loss in Earth’s largest rainforest, reports a new study based on analysis of deforestation trends in and around indigenous territories, parks, military holdings, and sustainable use reserves.
Mongabay.com, 01 de Junho de 2010

Estudo mostra que 44% da redução devastação na Amazônia entre 2004 e 2006 se deveu a desaquecimento.
Folha de São Paulo, 25 de maio de 2010

Punição a desmatadores ou desaquecimento da economia? Um estudo publicado hoje conclui que metade do mérito pela queda do desmatamento na Amazônia em meados desta década não é do aumento da fiscalização, mas sim da baixa no mercado de commodities.
Folha de São Paulo, 25 de maio de 2010

Gases de efeito estufa lançados pelo mundo inteiro durante um ano somam uma quantia de poluentes que poderia ser compensada com a proteção de apenas uma parcela do território amazônico. Tal parcela abrange todas as áreas protegidas da Amazônia, que poderiam evitar a emissão de até 8 bilhões de toneladas de carbono para os céus antes de 2050.
Globo Amazônia, 25 de maio de 2010